BEM VINDO!!!

Olá,

Aqui no Lugar da Fala você encontra dicas, textos e outras informações para se comunicar bem.

Comunique-se e seja bem vindo!!!


Já viu os e-books que escrevi para você? Clique abaixo!

Já viu os e-books que escrevi para você? Clique abaixo!
E-books exclusivos
Está gostando deste blog?
Deixe seu comentário e vote na classificação dos textos!
É só um clique: contribua, assim, para a escolha dos próximos assuntos a serem publicados.
O Lugar da Fala é feito para compartilhar temas de comunicação.
Obrigada, mais uma vez, por sua visita!

Queridos leitores, pretendo lançar outros e-books. Me digam sobre o que gostariam de saber mais:

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Mães que querem acertar


 Mães querem acertar sempre, mas às vezes é só não fazer NADA e estamos acertando.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Cada um com a sua fala

E aos que me perguntam como falar tão bem como aquele apresentador de TV, eu respondo:

-Que tal procurar em você o melhor da sua comunicação?

Se lembrarmos que somos seres únicos e que a comunicação dever ser coerente com a nossa personalidade e com as ocasiões da nossa vida, cai por terra o mito da padronização, de que há um único jeito certo e aceito de se comunicar.
Tempo de respeitar as diferenças e curtir a nossa melhor versão.
Até a próxima!

terça-feira, 6 de setembro de 2016

O mundo não quer me ouvir?




Nos dias de hoje, discute-se muito a importância da comunicação na vida das pessoas. Nas matérias em revistas e periódicos, lemos que “é preciso se comunicar bem para ser aceito na sociedade, manter os relacionamentos e a profissão.”
Comunicar é preciso, mas às vezes, o que acontece na rotina diária, é que deixamos nossa comunicação no piloto automático, esperando que nossas ‘intenções’ sejam ‘descobertas’ pelo interlocutor. Então, freqüentemente, no consultório, tenho ouvido reclamações como:
- Os outros não me entendem!
- Não foi isso que eu quis dizer!
- Todos discordam do que eu falo!
Algo parece estar errado: não com as pessoas, mas com a forma que estão lidando com sua expressão e compreensão.
Não podemos esquecer que a maneira como nos expressamos carrega consigo uma bagagem cultural, familiar e emocional, além de mudar conforme nossa relação com o interlocutor. Nem sempre a mensagem emitida chega ‘exatamente a mesma’ na compreensão do outro.
As interferências mais comuns, que ‘contaminam’ estas mensagens são: linguagem corporal, espaço físico comunicativo, entonação de voz e articulação das palavras. Tais sinais podem transformar o que foi dito em outra mensagem bem diferente.
Profissionais que lidam com treinamento, capacitação, educação e saúde, sem dúvida, poderão se destacar, se desenvolverem habilidades comunicativas específicas, como a escuta, a expressão verbal e corporal adequadas.
A verdadeira escuta promove abertura do ouvinte como receptor, isento de pré-julgamentos e permite que o falante comece e termine sua fala.
Expressão verbal e corporal coerentes entre si facilitam a transmissão das mensagens. Para isso, todos os elementos comunicativos devem “falar” em uníssono: olhos, expressão da face, postura, gestualidade, articulação dos sons e voz.
Tais estratégias permitem aproximar-se de seus colegas de trabalho e clientes de forma cuidadosa, sem invadir o espaço do outro, sem julgar e sem inferir situações pela contaminação de seu olhar pessoal.
Assim, o outro (que conversa conosco) também estará mais aberto para falar, ouvir e, possivelmente, compreender nossas sugestões e recomendações.

Post re-editado (publicado em 2008 no Blog PalavraChave, da mesma autora)

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Curiosos por natureza



As crianças são insaciáveis em suas perguntas. Elas não param de perguntar. Estão sempre curiosas  e insatisfeitas com um simples "porque sim".
Isso faz com que sejam mais criativas, mais dinâmicas em seus pensamentos. É o que ajuda muito a desenvolver a linguagem.

Dica do dia: Tente não se irritar, responda. Descubra o que despertou a curiosidade, qual o interesse naquele tema.
Aproveite que ela vem perguntar suas dúvidas em família!


Imagem Bennet

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Tecnologia e comunicação






Em tempos de tantas mudanças , a tecnologia tem sido fator determinante de inovações e surpresas.
Alguns pais têm reclamado de que as crianças só querem ficar nos equipamentos eletrônicos, têm preguiça de falar, de escrever, de ler...
Eu sou das antigas, quebro-cabeça com tecnologia e já me encrenquei muito com equipamentos ( :O ).
Gente, adianta a gente ficar brigando com as mudanças do mundo? Não.
Precisamos apenas compreender o que está acontecendo e achar o nosso jeito de lidar com todas estes brinquedinhos eletrônicos tão interessantes. Por que não jogar um jogo eletrônico com nossos pequenos de vez em quando? E por que não sentar para discutir pesquisa e ensiná-los a procurar pelos temas em fontes confiáveis? Ou até mesmo ler textos curtos juntos em livros digitais?
Penso que a gente pode, sim, ajudar esta meninada a lidar com tanta informação (estejam certos que isso provoca certa ansiedade neles) e receber ajuda quando "apanhamos" para as engenhocas digitais que se multiplicam a cada dia.
Agora tenho procurado aproveitar esta tecnologia que por vezes me aproxima ainda mais das pessoas. Outro dia recebi uma mensagem em audio da mãe de um paciente que gravou a evolução do pequenino e me enviou as novas palavrinhas que já estavam saindo antes da sessão agendada. Pronto. Amei  e não brigo mais com a tecnologia!


Imagem Freepick


terça-feira, 26 de julho de 2016

Como está a sua comunicação neste inverno?

Pois é, inverno, férias, resfriados e os perigos das gripes por aí.
É bem comum que a nossa voz fique mais anasalada e é possível que a fala também aponte pequenas distorções por conta dos resfriados. Além disso a audição, às vezes diminui um pouco em decorrência do congestionamento de vias aéreas.
Tudo favorece episódios de mal entendidos ao telefone ou mesmo pessoalmente!
Dicas para melhorar estas situações:
- tome mais água
- evite permanecer em ambientes fechados com muitas pessoas
- lave as mãos mais frequentemente
- se na sua região faz frio, agasalhe-se
- evite choques térmicos imediatos constantes (da lareira para o vento gelado,ou vice-versa)
- faça períodos de repouso vocal
- fale mais devagar e pausadamente quando estiver muito congestionado
- se o outro não escuta você, ao invés de gritar, fale mais devagar, articulando bem as palavras.
Nos falamos em breve!

terça-feira, 5 de julho de 2016

Linguagem também se desenvolve nas férias


Olha o ano voando aí, e chegamos a mais um período de férias da criançada.
Férias sempre são um desafio para os pais, pois a meninada morre de tédio, se não encontrar boas opções de diversão, não é mesmo?
Bom, quem leu o e-book Pequeno manual para pais que querem ver seus filhos se expressando bem,
viu dicas para brincar com seu filho, com brincadeiras simples, aquelas que todos nós conhecemos, que não precisam de um super investimento financeiro. Apenas um tempo de atenção e curtição da criatividade dos pequenos.
Também vou parar duas semanas de férias, tá?
Depois quero saber quem aí voltou à infância e se divertiu!


Imagem: Produtos Artekoisas

terça-feira, 28 de junho de 2016

Tem uma fila de pessoas esperando para te ouvir!


Você tem medo ou vergonha de mostrar o seu trabalho, dividir seu talento com as pessoas ou falar em público?
Acontece com muita gente, não fique se achando o único. O importante é saber driblar esta dificuldade.
E você que é mulher, quer empreender colocar o seu negócio no mundo, vem ver o texto que eu preparei para o Negócio de Mulher http://negociodemulher.com.br/2016/06/tem-uma-fila-de-pessoas-la-fora-esperando-pra-te-ouvir/.
O trabalho das empreendedoras Karine e Priscila é ajudar outras mulheres a alcançar seus objetivos nos negócios. Podem ir lá conhecer e curtir esta dupla que tem dado muitas dicas para criar um negócio e vida que você ame.
Depois venham me contar o que já estão conseguindo?

terça-feira, 7 de junho de 2016

Se o seu filho é teimoso...


Crianças às vezes podem ser surpreendidas. Devem ser desafiadas, mesmo com a segurança e intenção do adulto.
Crianças devem saber quem manda. Nada de regras que mudam todos os dias ou promessa que não serão cumpridas.
Crianças precisam de pais consistentes para que obedeçam e compreendam a autoridade.
Crianças são o que as levamos a ser.


Imagem pcdec.sites.uol.com.br

Quem esteve aqui este mês