BEM VINDO!!!

Olá,

Aqui no Lugar da Fala você encontra dicas, textos e outras informações para se comunicar bem.

Comunique-se e seja bem vindo!!!


Já viu os e-books que escrevi para você? Clique abaixo!

Já viu os e-books que escrevi para você? Clique abaixo!
E-books exclusivos
Está gostando deste blog?
Deixe seu comentário e vote na classificação dos textos!
É só um clique: contribua, assim, para a escolha dos próximos assuntos a serem publicados.
O Lugar da Fala é feito para compartilhar temas de comunicação.
Obrigada, mais uma vez, por sua visita!

Queridos leitores, pretendo lançar outros e-books. Me digam sobre o que gostariam de saber mais:

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Quantas sessões de fono...??? 9 fatores influentes no tratamento

Quanto tempo é necessário para mudar ou melhorar a fala?



Esta é uma pergunta bem freqüente nos consultórios de fonoaudiologia. Afinal, são necessárias poucas ou muitas sessões para melhorar a fala, voz, escrita ou comunicação das pessoas?
Assim como na psicoterapia , as formas terapêuticas de tratamento constituem um processo, isto é, não se trata de dar um remédio em dose única para que a "cura" aconteça. Seres humanos apresentam comportamentos e hábitos ligados à comunicação e à linguagem. Assim, os encontros terapêuticos semanais acompanhados ou não de tarefas a serem realizadas durante a semana são necessários para que as mudanças possam acontecer aos poucos.
Vejam alguns fatores que podem interferir, acelerando ou estendendo o tempo de atendimento, lembrando estes fatores não determinam o período ou a melhora, mas podem ser pontos importantes na análise dos resultados. Há outros, estes são apenas alguns deles:

9 fatores influentes no tratamento fonoaudiológico
  1. limitação orgânica ou funcional: muitas vezes os clientes estão motivados e são colaboradores, mas sua condição física o impede de evoluir mais rápido no tratamento. Entretanto, eu acredito que o ser humano é ilimitado em sua potencialidade. Vemos aí exemplos de atletas das paraolimpíadas e várias outras pessoas que conhecemos que tinham a "predestinação": não vai andar, não vai falar, não vai aprender e estão aí para nos dar uma lição. Então penso que este fatore é muito relativo.
  2. disponibilidade: é importante o cliente se perguntar - eu quero mudar? - porque isso exigirá dedicação e investimento. Os resultados esperados são mais animadores se a resposta a esta pergunta for rapidamente: SIM. 
  3. incômodo com a dificuldade: o incômodo ou desconforto com a dificuldade ou alteração na comunicação, em geral, aumenta a aderência ao tratamento. Do contrário, se não incomoda, não atrapalha, não interfere no dia-a-dia, por que mudar?
  4. idade: pessoas adultas, em geral, estão cientes de sua forma de comunicação, enquanto que, nas crianças, a queixa é dos pais ou da escola. Adolescentes podem aderir mais ou menos ao tratamento dependendo da consciência da alteração apresentada ou do quanto determinada dificuldade o deixa desconfortável.
  5. família: quanto mais a família colaborar com o tratamento, há uma tendência de resultados positivos. Exemplos de quando isso acontece: famílias que seguem as orientações - pais, tios e avós que falam  corretamente com a criança; e familiares que não interrompem a fala do sujeito em fonoterapia, nos casos de gagueira.
  6. tempo de instalação do 'problema' : quanto maior este tempo, é possível que seja um pouco mais complicado superá-lo.
  7. freqüência à fonoterapia: há clientes que faltam freqüentemente - vão a duas sessões, faltam na semana seguinte, comparecem à próxima, ficam três semanas sem ir ao atendimento... até que contam para alguém: "Estou indo na fonoaudióloga há 4 meses", apenas considerando a data do início do atendimento. Contudo, tal afirmativa não contempla quantas sessões, de fato, foram realizadas, portanto, não corresponde à realidade.
  8. vínculo com o fonoaudiólogo: este é um fator fundamental. É preciso que haja muita abertura e esclarecimento de todas as dúvidas diretamente com o fonoaudiólogo, pois outro colega não poderá orientar um caso que já está em atendimento.
  9. profissional equivocado: erros no diagnóstico, dados insuficientes pra tratamento e conduta anti-profissional não devem acontecer - mas, eventualmente, estas situações aparecem em tratamentos médicos, psicológicos, de fisioterapia, e, infelizmente, de fonoaudiologia. Converse com seu fonoaudiólogo, esclarecendo todas as dúvidas que surgirem.
Como coloquei antes, são apenas alguns pontos a serem considerados. Falaremos mais sobre isso aqui no Lugar da Fala
Obrigada pela visita!
Quer saber mais sobre tratamento fonoaudiológico, leia Indicação de exercícios fonoaudiológicos e diversos esclarecimentos sobre FONOAUDIOLOGIA.

Vote abaixo, dando sua opinião se este texto foi útil ou não. Obrigada!



2 comentários:

Anônimo disse...

Adorei o seu blog!

Fonoaudióloga Kátia Bianchi disse...

Obrigada!
Seja sempre bem-vindo(a)!
abraço

Quem esteve aqui este mês