BEM VINDO!!!

Olá,

Aqui no Lugar da Fala você encontra bons bate-papos, dicas e outras informações para se comunicar bem.

Seja bem vindo!!!


Já viu os e-books que escrevi para você? Clique abaixo!

Já viu os e-books que escrevi para você? Clique abaixo!
E-books exclusivos
Está gostando deste blog?
Deixe seu comentário e vote na classificação dos textos!
É só um clique: contribua, assim, para a escolha dos próximos assuntos a serem publicados.
O Lugar da Fala é feito para compartilhar temas de comunicação.
Obrigada, mais uma vez, por sua visita!

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Chupeta atrapalha no desenvolvimento da fala?


Olá, hoje vim responder às mães que têm me perguntado sobre o uso da chupeta, que tem sido uma inimiga clássica e combatida por muitos profissionais da minha área.

Sabemos que hábitos intensos podem, sim prejudicar as crianças.Mas vamos pensar um pouquinho qual é o real tamanho deste problema.

 A chupeta o tempo inteiro na boca, e sua permanência além dos 2 anos de idade impede que a boca esteja livre para outras funções que lhe pertencem como falar, cantar, pedir, comer.

Este hábito, quando a criança tem a percepção que é dependente ("não fico sem a minha chupeta") também traz transtornos para as famílias. Ouvimos vários relatos de que as crianças se desesperam, que a família precisa voltar em outro lugar que passeavam onde a chupeta foi esquecida , ou precisam sair para comprar altas horas da noite porque a criança recusa-se a dormir ou se acalmar sem este objeto.

Mas tão prejudicial quanto a chupeta é sucção digital (chupar o dedo), estar com objetos o tempo inteiro na boca (mesmo quando a criança for maior), roer unhas, hábitos de morder lábios ou língua, uso da mamadeira o tempo todo e também em idades avançadas.

Todos estes hábitos, dependendo de sua intensidade e frequência,  podem modificar as estruturas orais da criança ou interferir no funcionamento da respiração e das funções orais como mastigação, deglutição e fala.


Então a dica é: avalie os hábitos orais de seu filho e administre a situação. A retirada deve ser conversada e de forma firme se você está realmente percebendo o prejuízo para a criança.

Bom trabalho e até a próxima!

Nenhum comentário:

Quem esteve aqui este mês